Exposição inédita sobre a Capela Sistina e Michelangelo marca as comemorações do aniversário de SP

Montada no MIS Experience, “Michelangelo: O Mestre da Capela Sistina” leva os visitantes a um mergulho na capela mais famosa do mundo

Ambiente da exposição Michelangelo: O Mestre da Capela Sistina / Clarisse Ferreira – Courtesy of MIS Experience

Beatriz Camargo / Aleteia

A celebração dos 469 anos da cidade de São Paulo traz em sua programação um evento que é um verdadeiro presente para os apreciadores de arte sacra.

“Michelangelo: O Mestre da Capela Sistina” estreia hoje (24/01) e é a maior exposição imersiva sobre a Capela Sistina e afrescos de Michelangelo, reunindo reproduções de algumas das mais famosas obras da história da arte.

Com efeito, são mil metros quadrados divididos em 14 salas expositivas, a mostra aberta no MIS Experience – instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo – destaca a reprodução gigante do teto da Capela Sistina num ambiente que alia recursos de alta tecnologia de animação e sonorização.

“A Secretaria de Cultura e Economia Criativa, através do MIS Experience vai oferecer, por meio dos mais avançados recursos tecnológicos aplicados à fruição de obras de arte, uma experiência inédita para o público brasileiro”, afirma Marcos Mendonça, diretor-geral da ACCIM – Associação Cultural Ciccillo Matarazzo, responsável pela gestão do MIS, MIS Experience e Paço das Artes.

De acordo com ele, o evento é uma ocasião para “mergulhar na genialidade de Michelangelo, descobrindo cada detalhe dos afrescos, é oportunidade única para visitantes de todas as idades”. Inegavelmente tema central da sala de imersão, com projeções gigantes no teto e nas paredes, a Capela Sistina também está presente em outros espaços da mostra.

Desse modo, é possível conhecer aspectos curiosos de sua construção, arquitetura e história, com destaque para uma maquete que reproduz afrescos e detalhes interiores. Além disso, há também uma sessão dedicada ao Conclave, reunião dos cardeais para escolher um novo Papa. Similarmente à réplica da chave da Capela Sistina, trazida diretamente do Vaticano.

O responsável pela curadoria do conteúdo foi o professor e historiador da arte Luiz Cesar Marques Filho.

Grande mestre renascentista

Ademais, os visitantes também poderão conferir desenhos, estudos e projetos do renascentista Michelangelo.

Por certo, a reprodução em larga escala do ateliê do artista é um dos destaques da seção, que apresenta gravuras gigantes das obras, cartas, manuscritos e documentos sobre o processo de desenvolvimento dos afrescos.

As réplicas das esculturas selecionadas contemplam diferentes fases da trajetória de Michelangelo, como “Madonna da escada” (1491), que retrata a Virgem Maria sentada em uma escada segurando e cobrindo seu filho, enquanto ele dorme.

Já “Centauromaquia” ou “A batalha dos centauros” remete à fase em que Michelangelo começa a destacar a nudez como forma de representar a beleza. Outro destaque da exposição é A réplica certificada de “Madonna de Bruges” (1501/1504).

“Pietà Rondanini” (1552) – a última obra inacabada de Michelangelo – também está no acervo da exposição, que tem homologação das instituições italianas que preservam o legado artístico de Michelangelo. As nove réplicas de esculturas são originárias da Gipsoteca dell’Istituto D’Arte di Firenze, em Florença, na Itália.

Visitas

A exposição “Michelangelo: o mestre da Capela Sistina” permanecerá aberta ao público até o dia 30 de abril. Às terças-feiras a entrada é gratuita mediante a retirada de ingresso no site www.michelangelocapelasistina.com.br. Ele também está disponível nas bilheterias do MIS Experience, que fica na Rua Cenno Sbrighi, 250 – bairro Água Branca.

Às quartas, quintas e sextas, as entradas custam R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia). Sábados, domingos e feriados o valor é R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia). Crianças até 7 anos têm entrada gratuita.

A mostra funciona das 10h às 18h às terças, quartas, quintas, sextas e domingos. Aos sábados e feriados, as visitas ocorrem das 10h às 19h.

Artigo anteriorA conversão de São Paulo
Próximo artigoSanto do dia 26 de janeiro: São Timóteo e São Tito