Sob novo cenário da pandemia do Covid-19, Arquidiocese do Rio estabelece novas medidas de flexibilização nas igrejas

Igrejas e demais locais de culto podem ser novamente ocupados com 100% de sua capacidade, porém continuam obrigatórios o uso de máscara e a higienização com álcool 70° para acesso

As igrejas de demais locais de culto podem ser novamente ocupados com 100% de sua capacidade, porém continuam obrigatórios o uso de máscara e a higienização com álcool 70° para o acesso.

Por Emilton Rocha / Pascom

Com a maior campanha de vacinação da história do Brasil caminhando a passos largos, o país fechou o mês de outubro registrando o menor número de mortes por Covid-19 desde abril de 2020. A queda no número de óbitos é registrada desde junho, quando o Programa Nacional de Imunizações (PNI) avançou na vacinação dos grupos prioritários previstos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO). Os dados divulgados apontam a eficácia da campanha de vacinação no combate à crise pandêmica.

O Ministério da Saúde já enviou doses suficientes para imunizar todos os grupos prioritários, todos os brasileiros adultos com ao menos uma dose e segue nas novas etapas da campanha, com a dose de reforço para idosos acima de 60 anos, pessoas imunossuprimidas e profissionais de saúde, além da imunização de adolescentes e a segunda dose da população.

O Mapa de Risco da Covid-19, divulgado sexta-feira (19) mostra a queda de 61% no número de óbitos e de 38% nos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)  provocados pela doença. É o melhor cenário desde o início da série histórica da pandemia, em julho do ano passado. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), é a 12ª semana consecutiva com classificação geral do estado em bandeira amarela, de risco baixo para transmissão da covid-19.

Com este novo cenário, a Arquidiocese do Rio de janeiro publicou ontem, 19,  decreto que estabelece novas medidas de flexibilização para as igrejas da Arquidiocese, mas com restrições.

Decreto sobre o novo contexto da pandemia do Covid-19

A experiência vivida durante esse tempo da pandemia do Covid-19 na Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, bem como em outras dioceses do Brasil, foi de muita dor e muita renovação eclesial.

Ao luto nas famílias, ao falecimento de bispos, presbíteros, diáconos, religiosos e paroquianos, uniram-se tristes realidades, já anteriormente presentes, mas agravadas nesse período: depressão, suicídio, fome, desemprego, pessoas em situação de ruas etc.

A Igreja Católica procurou atender a todas as demandas desse tempo, levando esperança, fé, consolo, assistência espiritual, distribuição de cestas básicas e atendendo a outras necessidades materiais. Observou-se, dentro dos limites decretados pelas autoridades governamentais sanitárias, uma esperançosa renovação eclesial. Com criatividade pastoral, párocos, comunidades, grupos e associações imprimiram um novo ritmo ao trabalho evangelizador, através dos meios digitais ou projetos missionários para atender bem ao povo de Deus.

Através de decretos e orientações pastorais o governo arquidiocesano foi ao encontro das necessidades pastorais, e, com a comunhão de esforços e adesão de todos houve continuidade pastoral e segurança nos espaços paroquiais, a fim de se prevenir a doença do Covid-19.

Providências

Considerando o novo contexto da pandemia do Covid-19, decidimos que, a partir desta data, Solenidade de Cristo Rei, ficam revogados:

– o Decreto sobre a dispensa dos fiéis de participarem das missas dominicais e demais dias de preceito, de 16 de março de 2020;

– as “Orientações Arquidiocesanas para a Celebração do Culto Público no Contexto da Pandemia Covid-19”, com seus anexos I, II e III, de 7 de junho de 2020;

– A “Nota da Cúria”, de 1º de setembro de 2020;

– As “Orientações Arquidiocesanas para a Retomada das Atividades da Catequese Infantil e da Iniciação Cristã de Jovens e Adultos”, de 8 de julho de 2021; e

– O “Anexo às Orientações Arquidiocesanas para as Celebrações com Presença do Povo”, de 20 de julho de 2021.

Desse modo, o que prescreve o cânon 1247, do Código do Direito Canônico, sobre a obrigação de participar da Missa nos domingos e nos outros dias de preceito deve, a partir desta data, voltar a ser vivido por todos os fiéis.

Orientações práticas

1 – As igrejas e demais locais de culto podem ser novamente ocupados com 100% de sua capacidade, porém continuam obrigatórios o uso de máscara e a higienização com álcool 70° na entrada da igreja;

2 – Recomenda-se que a higienização dos espaços litúrgicos, conforme vem sendo feita, seja periódica;

3 – Para os Padres e Diáconos durante as concelebrações litúrgicas, continua vigente a obrigação do uso de máscaras, especialmente durante a distribuição da Comunhão Eucarística;

4 – Nos Tempos Litúrgicos do Advento e da Quaresma, podem-se retomar os mutirões de Confissão, observando as necessárias medidas de prevenção;

5 – As pastorais retornam às suas atividades presenciais nos níveis paroquial, vicarial e arquidiocesano. Os agentes pastorais devem manter o uso de máscaras e a higienização das mãos durante essas atividades;

6 – As atividades da catequese infantil e da iniciação cristã de jovens e adultos devem esmerar-se em dois pontos: os pais devem ser consultados quanto ao retorno dos seus filhos às atividades presenciais da catequese; e o uso da máscara e a higienização das mãos continuam prescritas para todos os que participam dessas atividades;

7 – Recomenda-se a prudência na retomada geral, conforme a sensibilidade de cada comunidade, inclusive atendendo aos idosos e enfermos em suas casas pelos MESCs.

Exortamos para que a comunidade cristã dirija orações e intenções das missas por todos os falecidos, em virtude da pandemia do Covid-19 e também de outras doenças, para que a dor de seus familiares e amigos tenham o consolo de Deus.

Como o Papa Francisco, que tem especial carinho pelos idosos, procuremos também nutrir o respeito, a prudência e a estima por todos esses irmãos nossos que sofreram tanto com as privações vividas com a pandemia do Covid-19.

Aos médicos, enfermeiros e toda a equipe de saúde, reiteramos os nossos agradecimentos pelos sacrifícios vividos nesses últimos meses e continuamos rezando e valorizando esse serviço que eles dedicam à sociedade.

Este decreto deve ser lido em todas as igrejas da Arquidiocese e passará a vigorar a partir desta data, da Solenidade de Cristo Rei.

Dado a passado em nossa Cúria Metropolitana, aos 21 dias do mês de novembro de 2021, Solenidade de Cristo Rei, sob nosso Sinal e Selo de Nossa Chancelaria.

Orani João Cardeal Tempesta, O.Cist.

Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro

Mons. Helio Pacheco Filho

Chanceler da Cúria

Artigo anteriorSanto do dia 19 de novembro: São Roque Gonzalez e companheiros mártires
Próximo artigoDia da Consciência Negra: Zumbi, feriado e reflexão nas escolas