São Francisco e a Porciúncula: Saiba como obter a indulgência plenária hoje e amanhã

A pequena igreja conhecida como Porciúncula que são Francisco de Assis dedicou a Santa Maria dos Anjos, encontra-se dentro da grande Basílica que leva o mesmo nome desta devoção mariana

Igreja da Porciúncula em Assis/São Francisco de Assis (Foto: ACI Prensa)

Por ACI Digital

Todos os anos, os fiéis que visitarem uma igreja franciscana em qualquer lugar do mundo desde o meio-dia de hoje e todo o dia 2 de agosto, poderão obter a chamada indulgência plenária da Porciúncula.

Para isto, além da visita, as condições habituais de confissão sacramental, comunhão eucarística e a oração pelas intenções do papa.

Em declarações para o Grupo ACI, o irmão Gonzalo Cateriano, ex-provincial dos franciscanos capuchinhos no Peru, ressaltou o “grande desejo de São Francisco de Assis de que todas as almas se salvem” e que os fiéis “com piedade e devoção” recebam a indulgência cumprindo as disposições da Igreja.

O frade assinalou que “antigamente era muito difícil que a Igreja concedesse indulgências” já que só se obtinham em peregrinação a alguns lugares como Terra Santa e, portanto, foi um grande presente que são Francisco obteve por seu amor às almas.

“Agora o Perdão de Assis pode-se obter em todas as igrejas franciscanas do mundo desde a véspera da festa central”, pontuou.

A concessão da Indulgência da Porciúncula se deu em 1216, quando São Francisco partiu para Perusa junto de outro frade para ver o Papa Honório III, depois de uma aparição do próprio Cristo e da Virgem rodeados de anjos na capela de Santa Maria dos Anjos, em Assis.

Nesta aparição, o santo pediu ao Senhor que concedesse uma indulgência a quantos visitassem a Igreja dedicada à Virgem sob a devoção de Nossa Senhora dos Anjos. O Senhor aceitou e ordenou que se dirigisse a Perusa, para obter do papa o favor desejado. O pontífice concedeu a graça.

Em 1966 o papa Pablo VI publicou a carta apostólica “Sacrosancta Portiunculae ecclesia” com ocasião do 750º aniversário da concessão da indulgência da Porciúncula, onde expressou que “a instituição desta indulgência seja celebrada de maneira que verdadeiramente a Porciúncula seja aquele lugar santo onde se consegue o perdão total e se faz estável a paz com Deus”.

Além disto, referindo-se às peregrinações que os fiéis realizam para o lugar, indicou: “Queira Deus que a peregrinação, transmitida durante séculos, à igreja da Porciúncula, que Nosso mesmo Predecessor João XXIII empreendeu com ânimo piedoso, não termine mas que cresça continuamente a multidão de fiéis que acodem ali ao encontro com Cristo rico em misericórdia e com sua Mãe, que intercede sempre perante ele”.

A pequena igreja conhecida como Porciúncula que São Francisco de Assis dedicou a Santa Maria dos Anjos, encontra-se dentro da grande Basílica que leva o mesmo nome desta devoção mariana. A basílica data dos séculos XVI e XVII.

Esta igreja foi a segunda morada do santo e de seus primeiros irmãos, assim como o lugar onde na tarde de 3 de outubro de 1226, são Francisco morreu. Este também foi o lugar, onde no domingo de Ramos de 1211 São Francisco recebeu a consagração da santa Clara, dando origem à ordem das clarissas.

Ciência confirma parte de popular lenda atribuída a São Francisco de Assis

São Francisco de Assis. Imagem: Pintura de Jusepe de Ribera.

Uma equipe de cientistas europeus confirmou parte da lenda do saco de pão que São Francisco de Assis enviou, com a ajuda de um anjo, aos frades franciscanos oprimidos pela fome e pelo isolamento em um mosteiro italiano, no inverno de 1224.

Em um artigo publicado na revista Radiocarbon, da Universidade de Cambridge, os cientistas, liderados por Kaare Lund Rasmussen, professor associado da University of Southern Denmark, destacaram que esta é a primeira vez que o “saco de pão São Francisco” foi estudado pela ciência.

Segundo a lenda, São Francisco estava na França e enviou o saco cheio de pães aos seus irmãos famintos no mosteiro de Folloni, perto de Montella, na Itália. O saco de pão foi conservado no mosteiro até hoje.

Os cientistas explicaram: “Analisamos amostras do saco para obter uma data de radiocarbono (14C) e procurar vestígios de pão”. O estudo revelou que o saco de pão realmente era do período de 1220 a 1295, “o que coloca o têxtil no período de tempo apropriado segundo a lenda”, explicaram.

Além disso, a análise química revelou a presença de ergosterol, “um biomarcador conhecido da fabricação da cerveja, do cozimento ou da agricultura”. “Neste artigo demonstramos a validade do ergosterol como um biomarcador da presença de pão no passado”, assinalaram.

Em conclusão, os cientistas assinalaram que “parece que há uma boa correspondência entre a lenda franciscana e os dois métodos científicos mais decisivos que são relevantes para analisar o saco de pão”. “Embora não seja uma prova, a nossa análise mostra que o saco de pão realmente poderia ser autêntico”.

Em declarações recolhidas pela University of Southern Denmark, Kaare Lund Rasmussen adverte que, embora o saco corresponda ao período da lenda, o fato de que foi enviado por São Francisco e levado por um anjo é mais um tema de fé do que da ciência.

Artigo anteriorCampanha marca um ano para a JMJ Lisboa 2023
Próximo artigoSanto do dia 2 de agosto: Nossa Senhora dos Anjos