Neste sábado, às 17h, Frei Adriano Borges de Lima, Frei Clero Gomes Abranches e Frei Thiago Lopes da Silva, da Província Nossa Senhora dos Anjos, estarão dando mais um importante passo em suas caminhadas formativas com a efetivação da Profissão Perpétua em Solene Celebração Eucarística, no Santuário Basílica de São Sebastião. Diante da assembleia, de familiares e convidados, dos religiosos e do Ministro Provincial Frei Arles Dias de Jesus, que presidirá a celebração, os três frades dirão um sim definitivo por meio da profissão perpétua.

">
28 de janeiro de 2021

Basílica celebrará a Profissão Perpétua de três frades capuchinhos neste sábado

Cerimônia será realizada no Santuário Basílica de São Sebastião, no próximo dia 6 de fevereiro

Ensaio Parque São Vicente (23)

Os três jovens frades:  um importante passo em suas caminhadas formativas. 

Por Emilton Rocha / Fotos: Juliana Costa

No próximo dia 6 de fevereiro, sábado, às 17h, Frei Adriano Borges de Lima, Frei Clero Gomes Abranches e Frei Thiago Lopes da Silva, da Província Nossa Senhora dos Anjos, estarão dando mais um importante passo em suas caminhadas formativas com a efetivação da Profissão Perpétua em Solene Celebração Eucarística, no Santuário Basílica de São Sebastião.

O rito da profissão perpétua celebra-se durante a Missa, com justa solenidade e a participação da comunidade, neste ano seguindo à risca as normas sanitárias por causa da pandemia.Diante da assembleia, de familiares e convidados, dos religiosos e do Ministro Provincial Frei Arles Dias de Jesus, que presidirá a celebração, os três frades dirão um sim definitivo por meio da profissão perpétua.

A Profissão Perpétua representa a adesão definitiva na Ordem ou congregação religiosa. Embora a primeira profissão marque para sempre a vida do religioso, a perpétua renova de forma decisiva o seu compromisso e seguimento a Deus e à Igreja.

A vocação à vida religiosa é um dom para a Igreja. Onde existe um religioso ou uma religiosa, ali está alguém que deu uma resposta definitiva e radical para caminhar junto a Deus. A vida religiosa é marcada pela profissão dos votos de pobreza, castidade e obediência, realizados depois de um período de preparação que dura alguns anos, após a entrada no seminário ou convento. Abaixo, conheça um pouco sobre os três frades capuchinhos.

Fotos freis (7)

“São Francisco: referência de santidade”

Frei Adriano Borges de Lima

“Frade como São Francisco serei. E aqui estou”

Atualmente residindo no Rio, Frei Adriano Borges de Lima, 42, é natural de Vitória (ES), filho de Idário Fialho de Lima e Luzia Borges de Lima, uma irmã (Adriana), entrou na Ordem dos Frades Menores Capuchinhos em 2004 onde permaneceu até o início do curso de Teologia, em 2010. Pediu para retornar à família, permanecendo até 2016, quando retornou à Fraternidade. É bacharel em Filosofia e Teologia.

Com pais muito católicos, a reação deles foi “tranquila e acolhedora” quando o filho comunicou a decisão de seguir os passos de São Francisco de Assis. “Sempre me apoiaram em todas as minhas decisões”. Foi sua paixão por São Francisco e o exemplo de simplicidade dos capuchinhos que o levaram a optar por ser um frade.

– São Francisco é uma referência de santidade e sempre chamou minha atenção sua vida de simplicidade, alegria e seguimento de Jesus Cristo. Numa tarde, depois de ver um filme sobre São Francisco, disse a mim mesmo:

– Frade como São Francisco, serei. E aqui estou.

Para ele, essa etapa na sua caminhada significa lançar-se nos braços de Jesus, momentos de alegria, gratidão e compromisso.

– Um passo decisivo para alcançar aquilo que dizia anteriormente ser meu sonho.

Pôr suas pegadas nas pegadas de Jesus – lema de sua Profissão Perpétua – é o seu sonho maior.

Fotos freis (11)

“Muita gratidão a Deus”

Frei Clero Gomes Abranches

“A caminhada na vida é algo primordial que deve ser constante”

Frei Clero Gomes Abranches, 33, nascido na cidade de Ecoporanga (ES), reside em Petrópolis, entrou na Ordem dos Frades Menores Capuchinhos em fevereiro de 2014, iniciando o postulantado – etapa de preparação prévia à entrada no noviciado, que tem a duração de um a dois anos – na fraternidade de Nossa Senhora dos Anjos, Itambacuri (MG). Filho único de Sinair Gomes Abranches e Paulo Cesar Abranches, é bacharel em Filosofia pela Universidade Católica de Petrópolis e atualmente cursa Teologia no Instituto Teológico Franciscano, em Petrópolis (RJ).

Segundo ele, seus familiares ficaram um pouco apreensivos quando souberam de sua decisão de entrar para a vida religiosa, mas com o amadurecimento da noticia se alegraram com a sua escolha.

– Meu primeiro pensamento de adentrar na vida religiosa se deu em uma assembleia vocacional diocesana em minha diocese de origem, em São Mateus (ES). Foi a partir de um convite de Frei Sebastião José para participar da assembleia vocacional que comecei a pensar de forma mais profunda o sentimento de ingressar na vida religiosa – revela.

Frei Clero conta que, pelo fato de sua paróquia ser de origem capuchinha, isso teve influência na sua decisão.

– Mas o estilo de vida do Frade Menor, de simplicidade, acolhimento, serviço ao próximo e de uma beleza grandiosa foi o que mais chamou minha atenção no momento de decidir, de dar um sim para vida religiosa, seguir a Cristo nas pegadas de Francisco de Assis.

Para ele, o significado deste momento é de muita gratidão a Deus por tudo de grandioso e maravilhoso que tem acontecido em sua vocação de frade menor. “A caminhada na vida é algo primordial que deve ser constante, e não se pode deixar que o comodismo faça parte de nossa vida. Vivenciar este momento de juntos com todos os meus confrades, familiares, amigos e ter cada dia mais clareza do sim que respondi a Deus quando entrei para a vida religiosa”, conclui.

Fotos freis (8)

“Sonho maior: ser sacerdote”

Frei Thiago Lopes da Silva

“Meu sonho maior, além de ser franciscano é de um dia ser sacerdote”

O carioca Frei Thiago Lopes da Silva, 29, morando atualmente em Petrópolis, entrou na Ordem dos Frades Menores Capuchinhos em 2014, com 22 anos, e a sua primeira casa de formação foi em Itambacuri (MG), onde fez o postulantado. Filho de Maria Regina da Silva e Francisco Carlos da Silva, tem um irmão, Felipe. Com formação técnica em  Radiologia, recentemente concluiu bacharelado em Filosofia pela Universidade Católica de Petrópolis. A sua vocação para se tornar um frade franciscano “surgiu pela graça de Deus”, diz.

– Na região onde eu morava, vieram uns irmãos e irmãs de uma nova comunidade religiosa que são inspirados pelo carisma franciscano e conhecidos como “Fraternidade Missionária o Caminho”. Essa comunidade faz um trabalho maravilhoso com moradores de rua, prostitutas, presos e dependentes químicos. E eu fiquei maravilhado pela sua forma de evangelização, mesmo porque eu já fazia parte de uma pastoral de rua na localidade.

Apesar de tudo, Frei Thiago sentia que faltava acontecer algo em sua vida e isso realizou-se ao assistir pela primeira vez em filme sobre a história do Padre Pio, que o fascinou pelo seu exemplo de vida.

– Comecei a querer ser frade capuchinho e assim procurei fazer o meu discernimento vocacional no Convento dos Frades Capuchinhos, na Tijuca.

Segundo ele, sua família via com receio a sua opção em querer ser frade, pois imaginava ser “fogo de palha” e que, mais cedo ou mais tarde, desistiria.

– Só que quando eles viam que isso não era uma coisa passageira, aceitaram a minha opção de vida – recorda.

O frade cita dois destaques que o ajudaram nessa opção: a vida fraterna numa comunidade religiosa e a vida de oração.

– O meu sonho maior, além de ser franciscano e ajudar os mais necessitados, é de um dia ser sacerdote. Significa, em outras palavras, assumir com mais perseverança aquilo que eu prometi nos meus primeiros votos ao terminar o meu noviciado, e ter sempre no coração que participar da obra de Deus é a maior graça que Ele infunde na alma humana.

clear