13 de setembro de 2021

O que você precisa saber sobre a festa da Exaltação da Santa Cruz, que celebramos amanhã

A festa de 14 de setembro está ligada a como Santa Helena identificou a Cruz de Cristo graças a um milagre de cura

A festa da Exaltação da Santa Cruz é celebrada pela Igreja no dia 14 de setembro. Seu sentido é assim resumido pelo atual Missal Romano:

“A cruz, sinal do mais terrível entre os suplícios, é para o cristão a árvore da vida, o tálamo, o trono, o altar da nova aliança. De Cristo, novo Adão adormecido na cruz, jorrou o admirável sacramento de toda a Igreja. A cruz é o sinal do senhorio de Cristo sobre os que no Batismo são configurados a ele na morte e na glória (cf. Rm 6,5). Na tradição dos Padres, a cruz é o sinal do Filho do homem que comparecerá no fim dos tempos (cf. Mt 24,30). A festa da Exaltação da Cruz, que no Oriente é comparada àquela da Páscoa, relaciona-se com a dedicação das basílicas constantinianas construídas no Gólgota e sobre o sepulcro de Cristo”.

A festa da Exaltação da Santa Cruz

A Exaltação da Santa Cruz também foi o tema de um comentário publicado por mons. André Sampaio em sua rede social. O monsenhor é sacerdote na arquidiocese do Rio de Janeiro e professor de Direito Canônico Oriental no Pontifício Instituto Superior de Direito Canônico. Eis o que ele explicou a respeito desta importantíssima festa litúrgica de setembro:

“A Festa da Exaltação da Santa Cruz, que celebramos em 14 de setembro, é a Festa da Exaltação do Cristo vencedor. A celebração tem origem no século IV, quando a Verdadeira Cruz de Jesus foi descoberta, em 326, por Santa Helena de Constantinopla, mãe do imperador Constantino I, durante peregrinação à cidade de Jerusalém.

A santa descobriu as três cruzes usadas na crucifixão de Jesus e de dois ladrões, Dimas e Gesmas (conf. Legenda Áurea, 1260, do dominicano e futuro arcebispo de Gênova Jacopo de Varazze, beato). Um milagre revelou qual das três era a cruz verdadeira, a Vera Cruz de Cristo. A Basílica do Santo Sepulcro de Jerusalém foi construída no local da descoberta e dedicada nove anos após, em 335, com uma parte da cruz em exposição.

Em 13 de setembro daquele 335 ocorreu a dedicação da igreja e a cruz foi posta em exposição no dia 14, para que os fiéis pudessem orar diante da relíquia e venerá-la, refletindo sobre Jesus que nela sofreu. Santo Eusébio, São Cirilo, Santo Ambrósio, Teófanes, Rufino, Calisto etc., foram alguns dos que aclamaram a descoberta da Santa Cruz, mas Calvino e Lutero zombaram das parcelas da verdadeira Cruz espalhadas pelo mundo como relíquias. Essas parcelas, diziam eles, dariam para construir um edifício.

A estrutura atual é uma síntese dos edifícios de Constantino e do edifício dos cruzados e foi dedicada em 15 de julho de 1149. A Basílica reúne os lugares ligados à morte e ressurreição de Jesus, sublinhando a unidade dos dois mistérios. Os mistérios que se realizaram neste lugar o fizeram santo. Por isso, essa solenidade celebra e renova mais uma vez a alegria pascal”.

A respeito de como Santa Helena encontrou as cruzes em Jerusalém e identificou a verdadeira Cruz de Cristo graças a um milagre de cura, confira o seguinte artigo:

“Como a santa que achou 3 cruzes no Calvário descobriu entre elas a Cruz de Cristo”

Fonte: Aleteia

clear