O Santuário Basílica de São Sebastião, assim como toda a Igreja, estará celebrando a partir deste domingo, 28 de março, a maior festa da religião cristã. Esta é a principal celebração do ano litúrgico cristão e também a mais antiga e mais importante – é o dia em que a Igreja abre solenemente a Semana Santa. Para participar das celebrações da Quinta-feira Santa, Sexta-feira Santa e Sábado Santo, os fiéis terão que fazer o agendamento pelo Sympla ou ligar para 2204-7900 (opção 3) ou 98247-2737. De segunda a quarta-feira, o acesso à igreja será por ordem de chegada.

">
26 de março de 2021

Santuário Basílica divulga a programação da Semana Santa com limite de público e transmissões ao vivo

Sem a tradicional procissão, Domingo de Ramos marca o início da Semana Santa em toda a Igreja

fb2446bf-bf07-41dc-8984-27867ec8cbcb

Por Emilton Rocha / Foto: Angela Zolhof

O Santuário Basílica de São Sebastião, assim como toda a Igreja, estará celebrando a partir deste domingo, 28 de março, a maior festa da religião cristã. Esta é a principal celebração do ano litúrgico cristão e também a mais antiga e mais importante – é o dia em que a Igreja abre solenemente a Semana Santa. Devido à pandemia da covid-19, as celebrações terão limite de público presencial.

A participação nas missas de domingo a quarta-feira será feita por ordem de chegada. Para participar das celebrações da Quinta-feira Santa, Sexta-feira Santa e Sábado Santo, os fiéis terão que fazer o agendamento pelo Sympla, escrevendo “Sympla Igreja dos Capuchinhos”, no Google, para fazer a inscrição ou ligar para 2204-7900 (opção 3) ou 98247-2737.

Serão feitas transmissões ao vivo das seguintes celebrações: domingo (28/3), a missa das 11h30; de segunda (29/3) até quarta-feira (31/3), as missas das 18h. Para assistir em casa, é só acessar as redes sociais do Santuário: Facebook (pascom.capuchinhos) e Youtube (Pascom Capuchinhos RJ).

A Semana Santa

A Semana Santa é a ocasião em que é celebrada a paixão de Cristo, sua morte e ressurreição. Jesus Cristo não aceitava o tipo de vida que seu povo levava, o governo cobrando altos impostos, riquezas extremas para uns e miséria para outros.

Ao chegar a Jerusalém, foi aclamado pela população como sendo o Messias, o Rei, mas os romanos não acreditavam que ele era filho de Deus, duvidavam dos seus sábios ensinamentos, de sua missão para salvar a humanidade, então passaram a persegui-lo.

Jesus tinha conhecimento de tudo que iria passar, da peregrinação que o levaria à morte. Convidou, então, doze homens a quem chamou de discípulos, para levar seus ensinamentos às pessoas.

Porém, Judas Escariotes, um desses apóstolos, também duvidou que Ele era um enviado de Deus, entregando-lhe para os romanos, que o capturaram.

Em seguida, fizeram Jesus passar pela via sacra, amarrado à sua cruz, carregando-a por um longo trecho, sendo torturado, levando chibatadas dos soldados, sendo caçoado covardemente até sofrer a crucificação e a morte.

Em 325 d.C, o Concílio de Niceia, presidido pelo Imperador Constantino e organizado pelo Papa Silvestre I, fabricou e consolidou a doutrina da Igreja Católica, como a escolha dos livros sagrados e as datas religiosas. Ficou decidido também que a Semana Santa seria comemorada por uma semana (do domingo de ramos ao domingo de Páscoa). Há relatos de festas em homenagem aos últimos dias de Cristo, pouco tempo depois de sua morte. Porém comemoravam dois dias apenas (sábado de aleluia e domingo da ressurreição). Nesse Concílio também foi adotado o Catolicismo como religião oficial do Império Romano.

Cada dia da comemoração faz referência a um acontecimento: o domingo de ramos refere-se à entrada do Rei, o Messias, na cidade de Jerusalém, para comemorar a páscoa judaica. Na segunda-feira seguinte foi o dia em que Maria ungiu Cristo; na terça-feira foi o dia em que a figueira foi amaldiçoada; a quarta-feira é conhecida como o dia das trevas; a quinta-feira foi a última ceia com seus apóstolos, mais conhecida como Sêder de Pessach. A sexta-feira foi o dia do seu sofrimento, sua crucificação. Sábado é conhecido como o dia da oração e do jejum, onde os cristãos choram pela morte de Jesus. E, finalmente, o domingo de páscoa, o dia em que ressuscitou e encheu a humanidade de esperança de vida eterna.

PROGRAMAÇÃO

Domingo de Ramos, 28/3

Missas: 7h, 8h30, 11h30, 17h e 18h30 – Missas com bênção dos ramos

Segunda-Feira Santa, 29/3

15h – Terço da Misericórdia (Frades – Música: Frei Vinícius)

18h – Santa Missa

Terça-Feira Santa, 30/3

18h – Santa Missa (Música: Frei Vinícius)

19h – Terço dos Homens

Quarta-Feira Santa, 31/3

16h – Celebração Penitencial (Frei Jorge e diác. Manoel)

18h – Santa Missa

Quinta-Feira Santa, 1/4

16h – Adoração ao Santíssimo Sacramento

19h – Missa da Ceia do Senhor

Sexta-Feira Santa, 2/4

15h – Celebração da Santa Cruz

Sábado Santo, 3/4

19h – Solene Vigília Pascal

Observações:

Por conta do distanciamento mínimo entre os fiéis e não criar aglomerações, a quantidade de pessoas será limitada.

Algumas regras:

- O uso de máscara é obrigatório.

- O ingresso poderá ser impresso ou digital pelo app do Sympla.

- Não compartilhe o seu ingresso. O mesmo será escaneado na entrada pela nossa Pastoral do Acolhimento e no caso do mesmo já ter sido escaneado, você não poderá entrar.

- O ingresso é individual.

- Chegue com, pelo menos, 20 minutos de antecedência.

- Após a missa, não poderá haver aglomerações. Agradecemos a compreensão no retorno imediato às suas casas.

- Se você apresentar alguns dos sintomas respiratórios ou de gripe, febre igual ou superior a 37,3º, tosse seca ou produtiva, dor de garganta, diarreia, conjuntivite, perda de paladar ou olfato, dificuldade de respirar ou falta de ar, dor ou tiver entrado em contato com pessoas infectadas com a Covid-19, NÃO deverá se inscrever para participar das celebrações.

- Pedimos às pessoas que fazem parte do grupo de risco que participem das transmissões pelas redes sociais.

clear