4 de abril de 2019

Cardeal Orani Tempesta forma Acólitos grupo de 15 candidatos ao Diaconato Permanente

Cerimônia será realizada nesta sexta-feira, 5, às 20h, no Santuário Basílica de São Sebastião (Capuchinhos)

acolitatoPor Emilton Rocha / Pascom

Nesta sexta-feira, 5, às 20h, quinze candidatos ao Diaconato Permanente serão instituídos Acólitos pelas mãos do Cardeal Orani João Tempesta, em cerimônia que será realizada no Santuário Basílica de São Sebastião (Capuchinhos). Entre eles está o paroquiano, Manoel Antônio Lopes Tavares, indicado da Basílica ao Diaconato Permanente pelo reitor Frei Arles Dias de Jesus.

A palavra Acólito vem do verbo acolitar, que significa acompanhar no caminho. Dado que se pode acompanhar alguém indo à frente, ao lado ou atrás de outras pessoas, acólito é aquele ou aquela que, na celebração da liturgia, precede, vai ao lado ou segue outras pessoas, para servi-las e ajudá-las.

O Acólito é formado para auxiliar na realização de cerimônias religiosas, ajudar o Diácono, arrumar o altar e colocar ao alcance dos sacerdotes o pão e o vinho para a consagração. Assim, é sua função cuidar do altar e auxiliar nas cerimônias litúrgicas e missas. Cabe ao Acólito, também, como ministro extraordinário, distribuir a comunhão eucarística nas celebrações ou levá-las aos doentes e idosos impedidos de ir à igreja. Além disso, em circunstâncias extraordinárias, pode ser encarregado de expor e repor a Sagrada Eucaristia para adoração pública dos fiéis – mas sem dar a benção com o Santíssimo Sacramento.

Com a instituição dos novos Acólitos nesta sexta-feira, a Igreja passa a contar com mais ministros para que as celebrações continuem revestidas de solenidade e beleza.

O Diácono Permanente tem uma caminhada longa, de aproximadamente cinco anos (um ano de propedêutico e mais quatro de formação na Escola Diaconal Santo Efrém). Primeiramente são instituídos no ministério de Leitores, depois no de Acólitos e ao final da preparação e aprovação do Cardeal Arcebispo, serão ordenados Diáconos Permanentes.

“É difícil a caminhada: um ano de propedêutico e mais quatro anos de formação. É o caminho da porta estreita. Mas Jesus nos dá a mão e ao final da caminhada seremos felizes e vamos entender porque é bom. É bom servir! O Senhor nos abençoe!” – disse Manoel Tavares na ocasião do recebimento do Ministério do Leitorato, em março do ano passado.

►Leia também: “Manoel Tavares, do MESC, é indicado para o Diaconato Permanente”

clear