31 de dezembro de 2020

10 fatos que marcaram a vida da Igreja em 2020

Segundo informou o Vaticano, este ano especial terá início na próxima Solenidade de São José – 19 de março de 2021 – e terminará no dia 26 de junho de 2022 por ocasião do X Encontro Mundial das Famílias que ocorrerá em Roma

HechosDel2020_3012202020 está prestes a terminar e, para dar as boas-vindas ao novo ano 2021, ACI Digital apresenta um relato dos dez acontecimentos mais importantes que marcaram a vida da Igreja nestes doze meses.

1. Bênção extraordinária Urbi et Orbi

No dia 27 de março, o Papa Francisco presidiu um momento extraordinário de oração pelo fim da pandemia, no qual concedeu a bênção Urbi et Orbi a Roma e ao mundo, concedendo também a possibilidade de obter a indulgência plenária.

O Santo Padre presidiu a oração no átrio da Basílica de São Pedro, em meio à chuva e em frente a uma praça vazia, devido às medidas de segurança que as autoridades italianas impuseram para superar a emergência sanitária.

2. Cardeal Pell absolvido das acusações

Depois de uma provação que começou há quase quatro anos, e depois de mais de 13 meses na prisão, o Cardeal George Pell foi libertado em abril graças ao Supremo Tribunal australiano que anulou uma condenação de um tribunal inferior por suposto abuso sexual.

“O Supremo Tribunal determinou que o júri, agindo racionalmente sobre a totalidade das provas, deveria ter tido dúvidas sobre a culpabilidade do solicitante em relação a cada um dos crimes pelos quais foi condenado, e ordenou que as condenações sejam anuladas e que, em seu lugar, sejam proferidas sentenças de absolvição”, disse o tribunal em um resumo da sentença de 7 de abril.

3. Orações pelo fim da pandemia do coronavírus

No decorrer de 2020, vários dias de oração foram convocados para pedir o fim da pandemia de coronavírus COVID-19, que desde os primeiros casos na China paralisou o mundo devido ao seu alto índice de contágio.

O Papa Francisco fez parte deste pedido conjunto da Igreja, com a sua participação em iniciativas como o Dia Mundial de Oração convocado pelo Alto Comitê da Fraternidade Humana junto com fiéis e líderes de outras religiões para pedir o fim da pandemia.

As dioceses também fizeram os seus pedidos a Deus, com jornadas de Adoração, orações do Santo Terço e celebração de Missas pelas almas dos que partiram por causa desta doença.

Da mesma forma, os leigos apoiaram esta oração da Igreja universal, como o ator e produtor mexicano Eduardo Verástegui, que ao longo de sete meses convocou milhões de pessoas para a oração diária do terço por meio de transmissões ao vivo em suas redes sociais.

4. Bênção em helicópteros e procissões de carros

Este ano, os sacerdotes não deixaram de zelar pelo crescimento espiritual da sua comunidade, por isso, 2020 foi repleto de novas e criativas formas de levar Jesus e Nossa Senhora ao encontro dos fiéis, que não podiam frequentar as igrejas por causa da pandemia.

Em helicóptero, o Santíssimo Sacramento e Maria, em suas diferentes devoções, percorreram os céus da América Latina para levar sua bênção e pedir o fim do coronavírus.

Durante a quarentena imposta em muitos países, Cristo caminhou pelas ruas para se aproximar de seus fiéis que permaneciam em suas casas para evitar os contágios da COVID-19, e levou consolo aos profissionais de saúde e aos doentes, que em clínicas e hospitais lutavam contra o vírus.

Os capelães tornaram-se uma importante fonte de esperança para aqueles que sofriam a doença sozinhos nos hospitais, dado que, pela alta probabilidade de contágio, as visitas a pacientes com COVID-19 estavam proibidas.

5. Ataque à catedral da Nicarágua

No dia 31 de julho, um desconhecido entrou na Capela Sangue de Cristo, localizada na Catedral de Manágua (Nicarágua), e lançou uma bomba incendiária que danificou gravemente o local e o crucifixo de 382 anos, diante do qual São João Paulo II ajoelhou-se em sua segunda visita à cidade em fevereiro de 1996.

O Arcebispo de Manágua, Cardeal Leopoldo Brenes, disse que “este foi um ato planejado, planejado com muita calma” e denunciou que “este foi um ato de terrorismo”.

Nos dias seguintes, bispos e fiéis de vários países expressaram sua solidariedade para com a Igreja.

6. Explosão em Beirute

Na tarde de 4 de agosto, a explosão de 2.750 toneladas de nitrato de amônio em um depósito no porto de Beirute (Líbano) deixou grande parte da cidade destruída. A magnitude foi tão grande que chegou a ser sentida a 240 quilômetros de seu epicentro, na ilha de Chipre.

A tragédia deixou 150 mortos, mais de 5 mil feridos e grande parte da cidade destruída. Também afetou igrejas e conventos.

Diversas instituições de todo o mundo estiveram presentes para ajudar as vítimas, entre as quais a Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (ACN), Ordem dos Cavaleiros de Colombo, Catholic Relief Services (CRS) e Cáritas.

7. Beatificação de Carlo Acutis

Em uma cerimônia na Basílica de São Francisco de Assis, no dia 10 de outubro, foi beatificado Carlo Acutis, um jovem italiano que faleceu aos 15 anos, em 2006, de leucemia e que é conhecido como o “ciberapóstolo da Eucaristia”.

Na homilia, o Cardeal Agostino Vallini, Delegado Pontifício para as basílicas de São Francisco e de Santa Maria dos Anjos, destacou que os traços distintivos da fé do novo beato são a “oração e a missão”.

Carlo é o primeiro millenials a ser reconhecido oficialmente como “beato” e dedicou sua curta vida à promoção da adoração eucarística, para a qual construiu um site dedicado a recolher testemunhos sobre os milagres eucarísticos.

8. Convocação do Ano de São José

Por meio de um decreto aprovado pelo Pontífice e assinado pelo Penitenciário-Mor, Cardeal Mauro Piacenza, o Papa Francisco convocou, em 8 de dezembro, o Ano de São José para comemorar os 150 anos do Decreto Quemadmodum Deus, por meio do qual o Beato Pio IX declarou o santo como Padroeiro da Igreja.

Esta convocação visa “que todos os fiéis com o seu exemplo (de São José) possam fortalecer diariamente a sua vida de fé em plena realização da vontade de Deus”.

Até 8 de dezembro de 2021, a Igreja Católica concederá indulgências de acordo com uma série de condições estabelecidas pela Penitenciária Apostólica.

9. Luta Pró-Vida na Argentina

Em 1º de dezembro, o presidente Alberto Fernández promoveu a tramitação expressa de um novo projeto de legalização do aborto. A decisão foi aprovada em 11 de dezembro pela Câmara dos Deputados e recebeu parecer favorável das comissões do Senado em 17 de dezembro.

Neste cenário complexo, a onda celeste realizou marchas massivas por todo o país, foram convocados dias de oração e jejum, e, inclusive, várias pesquisas mostraram que a grande maioria do país é contra o aborto, e que também não o consideram uma prioridade para a Argentina.

Porém, na quarta-feira, 30 de dezembro, após 12 horas de debate, o Senado aprovou a legalização do aborto com 38 votos a favor, 29 contra e 1 abstenção.

Diante do lamentável resultado, a Conferência Episcopal (CEA) lamentou o “distanciamento de parte da liderança” da maioria do povo argentino que ama a vida e assegurou que continuará “a trabalhar com firmeza e paixão no cuidado e serviço à vida”.

Por sua vez, a organização Unidad Provida anunciou que a luta contra a legalização do aborto continuará nos tribunais e hospitais argentinos.

10. Convocação para o Ano da Família

Durante o Ângelus de 27 de dezembro, festa da Sagrada Família, o Papa Francisco anunciou que o Vaticano dedicará um Ano da Família no quinto aniversário da Exortação Apostólica pós-sinodal Amoris Laetitia.

“A festa de hoje chama-nos ao exemplo da evangelização na família, propondo-nos o ideal do amor conjugal e familiar, como se destaca na Exortação Apostólica Amoris Laetitia”, advertiu.

Segundo informou o Vaticano, este ano especial terá início na próxima Solenidade de São José – 19 de março de 2021 – e terminará no dia 26 de junho de 2022 por ocasião do X Encontro Mundial das Famílias que ocorrerá em Roma.

Publicado originalmente em ACI Prensa. Traduzido e adaptado por Nathália Queiroz.

clear