5 de julho de 2018

Marcela Siesler, uma apresentação musical na Semana de Formação Litúrgica

“Todo cristão católico deveria participar desses encontros porque vai entender cada vez mais o que é a Santa Missa”

IMG_7584 (Copy)

MARCELA: “É preciso formar o povo de Deus para que ele possa cantar a liturgia”

Emilton Rocha / Pascom

Como se sabe, a música sempre teve um lugar central na Liturgia Católica. Como o silêncio, é uma linguagem necessária para entrar em sintonia com a beleza de Deus, para descobrir a sua presença. Como sempre que se trata do Amor não há lugar para a pressa, nem cálculos: cantamos porque queremos ter tempo para Deus.

A liturgia é um grande louvor que a comunidade cristã eleva ao Pai, por meio de Jesus Cristo (nele, com ele, por ele…), na força do Espírito Santo. A música, sobretudo o texto, deve traduzir isso. Daí porque não basta ao compositor ter conhecimento e técnica, exige-se também que tenha vivência cristã e viva sua fé. Há normas que orientam as formas de arte religiosa, que o artista deve conhecer e observar, para que, de fato, seu canto expresse a sacralidade da oração, a alma orante do povo, o Mistério da Salvação que é celebrado.

No terceiro dia da Semana de Formação Litúrgica, promovida pelo Santuário Basílica de São Sebastião dos Capuchinhos, a convidada foi a cantora, educadora musical e religiosa Marcela Siesler, graduada em Pedagogia, especializada em Ciências da Religião pela Faculdade São Bento, no Rio de Janeiro, que tratou do tema “A música na Liturgia”.

Ao começar sua apresentação, a cantora dividiu a plateia em grupos, colocando-os com a “mão na massa”, como ela mesma nominou: selecionou algumas solenidades dentro do ano litúrgico para que os grupos preparassem os cantos de cada tempo litúrgico. Assim, os participantes passariam a saber os critérios que poderiam ser usados. Foi um aprendizado interessante e divertido.

Sobre a importância da Semana de Formação Litúrgica realizada de 2 a 6 de julho na Basílica, Marcela disse que é grandiosa “porque é preciso formar o povo de Deus para que ele possa cantar a liturgia, servir a liturgia como ela deve ser executada”.

“Gostei muito da atitude dos freis de não realizarem essa formação litúrgica especificamente para as pessoas das pastorais da Liturgia e da Música, mas aberto a todos, pois todos precisam saber porque quando nós aprofundamos a espiritualidade da nossa fé passamos a entender o que é a Liturgia”, disse.

“Todo cristão católico deveria participar desses encontros porque vai entender cada vez mais o que é a Santa Missa, o porquê de cada parte, de cada canto, que determinada música não é apenas enfeite ou um adereço ou que o incenso não é só para perfumar a igreja. Enfim, uma formação que deveria ser para toda comunidade”, completou.

Ela também explicou que não cantamos apenas na Liturgia, mas cantamos a Liturgia. “Quando se canta um hino de louvor ou um ‘santo’, não se está cantando músicas que fazem parte da Liturgia, mas cantando a própria Liturgia.”

“A música não é apenas um adereço ou um enfeite, ela faz parte da Liturgia e não tem como separar a música da Liturgia”, concluiu.

Marcela Siesler fez uma apresentação maravilhosa com a simpatia que lhe é característica, em todos os momentos em que ensinou, cantou e mostrou amplo conhecimento sobre o tema abordado. Aplaudidíssima!

Nesta quinta-feira e também amanhã, das 19h30 até às 21h, o Diácono Frei Renato Moreira estará tratando do tema “O que é o Ano Litúrgico”. Você está convidado a participar.

GALERIA

Para ampliar, clique duas vezes nas miniaturas.

clear