Com as missas e outras cerimônias e procedimentos presenciais suspensos por causa do isolamento social, o Santuário Basílica de São Sebastião, dos Frades Capuchinhos, na Tijuca, encontrou um novo meio de levar conforto espiritual aos seus fiéis durante a pandemia do coronavírus e ficar mais perto deles. Desde meados de março, sempre ao meio-dia, os religiosos ocupam a sacada do templo, na Rua Haddock Lobo, para fazer a Oração do Ângelus, que é acompanhada das janelas, por moradores de prédios vizinhos.

">
4 de maio de 2020

Através do Ângelus, Frei Jorge leva mensagens diárias de conforto aos fiéis na hora do almoço

As pessoas que moram mais distantes podem acompanhar a transmissão ao vivo pela internet, por meio da página do santuário no Facebook

Geraldo RibeiroTamanho / Fotos: Ana Branco

xfrei.jpg.pagespeed.ic.rwgl66m5t6Com as missas e outras cerimônias e procedimentos presenciais suspensos por causa do isolamento social, o Santuário Basílica de São Sebastião, dos Frades Capuchinhos, na Tijuca, encontrou um novo meio de levar conforto espiritual aos seus fiéis durante a pandemia do coronavírus e ficar mais perto deles. Desde meados de março, sempre ao meio-dia, os religiosos ocupam a sacada do templo, na Rua Haddock Lobo, para fazer a Oração do Ângelus, que é acompanhada das janelas, por moradores de prédios vizinhos.

Além da oração, que acontece de segunda a sexta-feira, os frades também transmitem mensagens de conforto e fazem alertas sobre cuidados importantes para evitar a contaminação pela Covid-19, como respeitar a recomendação de isolamento social. As pessoas que moram mais distantes podem acompanhar a transmissão ao vivo pela internet, por meio da página do santuário no Facebook ou pelo grupo de Whatsapp (para ser adicionado basta ligar para 98247-2737).

— Percebemos que precisávamos atingir os fiéis e não sabíamos como. Vimos então que tínhamos uma vizinhança, que foi nosso primeiro alvo, e apareceu essa ideia (da oração na sacada) — explicou o frade Jorge Luiz de Oliveira, pároco e reitor do santuário.

x88039958_RI-EXCLUSIVO-Rio-de-Janeiro-RJ-04-05-2020-Prece-de-10-minutos-diarios-na-Igreja-dos-Capuchi.jpg,qposicaoFoto1.pagespeed.ic.lu7mLd3U4K (1)

O religioso contou que, inicialmente, não fazia ideia de como a novidade ia ser recebida pela vizinhança e, todos os cuidados foram tomados para não incomodar quem não tivesse interesse em acompanhar, seja por não ser católico ou por outra razão qualquer. Mais de um mês depois, o pároco da igreja dos Capuchinhos garante que a novidade foi aprovada. Mas, foram necessárias algumas adaptações.

— No início não nos preocupamos muito com o tempo e o som estava muito alto. Tínhamos duas caixas de som e deixamos só uma. Diminuímos também o tempo da mensagem (hoje a duração não passa de 10 minutos). Procuramos nos adaptar para não sermos motivos de reclamações. Mas, a gente percebe um retorno muito grande de observação e de pessoas que comentam — comemora o frade.

Moradora do bairro aprova iniciativa

A oração do meio-dia tem sido um alento para a aposentada Maria das Graças Campos Tavares, de 65 anos, que desde 10 de março não vai à igreja, apesar de morar perto, por causa do isolamento social. Antes da pandemia, a missa das 7h era um programa quase que diário para a fiel. A moradora da Rua Haddock Lobo está entre os que aprovaram a iniciativa dos frades capuchinhos.

— A oração leva um grande conforto para os moradores, principalmente os que estão acamados e os seus familiares. Também nos dá uma esperança muito grande de dias melhores — avalia a aposentada que vai para a janela assim que a reza começa, mas não desgruda do celular, para ouvir melhor as palavras dos religiosos, transmitidas pela internet.

Desde que começou o confinamento, a igreja suspendeu as missas presenciais e, a exemplo de outras paróquias, passou a fazer a transmissão das cerimônias religiosos pela internet. Desde meados de março as missas são celebradas de segunda a sexta-feira, às 18h, e aos sábados e domingo, às 11h, apenas com a presença dos religiosos. Somente a distribuição de cestas básicas para famílias carentes de comunidades próximas, como do Morro do Turano, e creches assistidas pelo Clube do Leite, continua sendo feita no local, mas adotando todas medidas necessárias para evitar aglomeração, assegura o frade.

________

Transcrito do Jornal Extra

clear